Ando vendo por aí

O Homem da Terra

O Homem que veio da Terra é de 2007 e é muito, muito interessante. E é claro que eu não vou estragar a surpresa e contar o filme todo.

Vejam só, esse filme deve ter sido um dos mais baratos de todos os filmes do mundo. Ele se passa na sala de estar de um professor de faculdade chamado John Oldman.

John está de mudança depois de dez anos vivendo no mesmo local. Os amigos, achando essa atitude estranha, aparecem na casa dele no dia da mudança para questioná-lo sobre a atitude dele e fazer uma festinha de despedida.

Conversa vai, conversa vem, John começa a ser mais do que questionado sobre os motivos. Pressionado, ele começa a revelar vários segredos e contar coisas que você não consegue nem imaginar. E esses segredos começam a ficar mais e mais interessantes, ao passar do dia – sim, o filme todo além de ser numa sala de estar, ele se passa em exatamente um dia, na verdade, da tarde para a noite. Oito pessoas no elenco.

Assim que eu vi esse cara, lembrei de onde o havia visto antes. Ele fez o pai de Landon Carter (Shane West) em Um Amor pra Recordar, o Dr. Carter…

Há quem pense que por conta da falta de efeitos especiais, ou qualquer tipo de efeito, o filme seria ruim. Mas garanto que se engana. Os diálogos desse filme são incríveis. Perfeitos. O final é demais.

O filme ganha nota 10 pelos diálogos e atuações. Sem mais, assitam!

Hancock

E não é que esqueci de postar sobre o novo filme do Will Smith? Com toda essa transição do Sala 7 pra cá, acabei me esquecendo de fazer o post! Pois bem, estava assistindo “À procura da felicidade” e me lembrei de postar. Aliás, quem ainda não viu À procura da felicidade está perdendo um super filme e super atuação do Will + do filhote dele, que é fofo.

Mas voltando a Hancock, nosso herói decadente, vemos mais uma atuação legal do Will Smith cachaceiro. E tem a Charlize Theron estonteante.

A chamada do filme é a seguinte: Existem heróis. Existem super heróis… e então existe Hancock.

O filme começa mostrando um cara que nem um mendigo deitado no banco da rua, com várias garafas de birita perto dele, o Hancock. Uma notícia passa na TV enquanto ele cochila. Uns assaltantes roubaram… um banco, acho. Depois de alguns instantes ele sai voando (quebrando tudo) para ir prender os bandidos.

(mais…)

The Love Guru!

Pois é, eu assisti. E, assim como o esperado, é a maior tosqueira. Devo admitir que só queria assistir por causa de Justin Timberlake e seu personagem de pênis grandes, Jacques ‘Le Coq’ Grande. Cenas engraçadas são poucas. E, não é porque sou fã do JT, mas sinceramente, só dei risadas quando ele aparecia.

Mike tenta fazer a linha exagerada do Agente Bond Cama, mas pelo pouco que assisti daquele filme, ele não consegue ficar tão legal. Jessica Alba é linda, mas ela está incrivelmente sem sal. O filme tem participações de outras estrelas também, como Oprah e Jessica Simpson.

Pra mim, a cena mais engraçada foi quando o Guru vai a casa de Jacques para entregar uma carta para a namorada do jogador. Na frente está escrito “Cuidado, Galo de Guarda”.

Então, enquanto Jacques canta “Because you loved me”, o galo ataca o Guru do lado de fora da casa.
PS: O Justin canta numa intensidade HAUIIAHUA

Logo depois dessa cena, temos uma outra bem tosca, que seria o Jacques querendo brigar com o Guru.

Me desculpem, mas quem salva o filme é Justin Timberlake.

Bom, gente. Digamos que o filme é… ruim. As cenas em sua maioria se concentram no Guru (lógico) e no Darren Roanoke, o outro jogador. E é puro tédio. Mas, como eu disse, é só uma opinião. Você pode assistir e bolar de rir, você pode assistir e odiar. Vai de cada um!

E, só pra lembrar, Justin até com bigodão e cabelo trash fica lindo.