Ando vendo por aí

O que acho dessa teoria maluca dos Astronautas do Passado

ver post

Minha viagem pra Disney, em 2013

ver post

[Parte #1] – O sonho fictício

Parte da série de tutoriais sobre escrita: A Caverna.

Fonte: ‘How To Write a Damn Good Novel’ de James N. Frey.
Tradução quase literal por: Mia
PARTE 1 – O SONHO FICTÍCIO 

—-

Um leitor de ficção espera ficar perplexo no começo e deslumbrado com a genialidade do quebra cabeça no final. Num romance histórico, por exemplo, o leitor espera sentir um gostinho de como as coisas eram antigamente. Num romance, o leitor espera uma destemida heroína, um bonito herói e um monte de paixão ardente.

As pessoas lêem por prazer e nada mais. Mas existe muito em cima disso a ser trabalhado. Como escritor de ficção você precisa transportar o leitor para aquele mundo. Os leitores dizem que são transportados, enquanto lêem, eles sentes que realmente estão vivenciando tudo aquilo e o mundo real ao redor deles, se evapora.

O leitor é levado a sonhar o sonho fictício. E, segundo John Gardnernão importa qual o gênero, o sonho fictício é a forma de dizer que a ficção está funcionando.

O sonho fictício é criado pelo poder da sugestão.

O poder da sujestão é a ferramenta principal dos publicitários, golpistas, propagandistas, do padre, do hipnotizador e, sim, do escritor de ficção. O publicitário, golpista, propagandista e o padre, usam o poder da sugestão para persuadir. O hipnotizador e escritor de ficção usa para invocar um estado de consciência alterada.

Wow, você pode dizer. Parece até místico. De alguma forma, é mesmo.

Quando o poder do sonho fictício é utilizado pelo hipnotizador, o resultado é um estado de transe. Ele vai olhar para você, balançar o pendante e dizer:

Suas pálpepebras estão ficando pesadas. Você se sente cada vez mais relaxado ao ouvir o som da minha voz

E enquanto você começa a fechar os olhos, você se acha numa escada dentro de sua mente, indo cada vez mais para baixo, até ficar escuro, quieto. E, surpreendentemente, você se sente mais e mais relaxado.

Ele continua: “Você está num caminho de um bonito jardim. Está quieto e tranquilo. É um preguiçoso dia de verão. O sol está lá fora, uma brisa quente sopra as magnólias e flores…

Enquanto ele fala as palavras, as coisas que ele mencionou – o jardin, o caminho, as magnóloas – aparecem em sua mente. Você vivencia a brisa, o sol, o cheiro das flores. Você está agora num transe.

Escritores de ficção usam a mesma técnica para levar o leitor ao sonho fictício. Ele oferece imagens específicas que criam o cenário na mente do leitor. Na hipnose, o protagonista da pequena história é o “você”. Na ficção escritores podem usar “você”, mas a mais usada é o “eu” ou “ele” ou “ela”. O efeito é o mesmo.

A maioria dos livros de como escrever ficção avisa para “MOSTRAR, não contar”.

Contar e Mostrar

Exemplo de CONTAR: “Ele entrou no jardim e o achou muito bonito.” – O escritor está contando como é, não mostrando.

Exemplo de mostrar: “Ele entrou no jardim silencioso ao pôr-do-sol e sentiu a leve brisa assoprar entre os arbustos de azevinho. Sentiu no ar uma forte essência de jasmim.”

Como John Gardner diz em The Art of Fiction: detalhes vívidos são a vida da ficção. O leitor prova tudo aquilo que está em detalhes. Detalhes físicos que nos levam a estória e a acreditar nela.

Quando um escritor está ‘mostrando’ ele está sugerindo detalhes que desenham o caminho do leitor ao sonho fictício.

Quando um escritor está ‘contando’, ele tira o leitor do sonho fictício, porque isso requer que ele faça uma análise do que está sendo dito, o que deixa o leitor num estado acordado. Força o leitor a pensar, não a sentir.

Ler ficção, então é a experiência de sonhar num nível de subconciente.

Uma vez que o autor criou um mundo cheio de detalhes, o próximo passo é envolver o leitor emocionalmente. E isso é feito ganhando do leitor a SIMPATIA.

— Nos vemos no próximo post sobre SIMPATIA! —

(Como eu disse a vocês, estou transferindo meus posts do tumblr para cá, para ficar num blog só!)