Ando vendo por aí

O problema com os Alienígenas do Passado (Antigos Astronautas)

Ancient-Aliens-600x350

Talvez vocês não saibam (aliás, como poderiam?), mas eu tô escrevendo um livro sobre alienígenas. Esse livro vem consumindo minha sanidade faz algum tempo (anos, aliás) e já mudou tanto que até beta-readers, que acompanharam versão por versão, já tão putos.

Eu entendo… Deixe eu só avisar, esse post será muito grande… e, talvez, se você é apaixonado pelo tema, não seja uma boa leitura. 

Mas escrever sobre esse tema, que mexe muito com o imaginário e que, não foi um choque descobrir, há pessoas tão fanáticas, muitas vezes mais fanáticas do que os religiosos, é como andar sobre ovos. Por mais delicados que sejam os seus passos, inevitavelmente você vai quebrar todos eles.

A premissa da teoria dos Antigos Astronautas é que, em algum período da nossa história, alienígenas vieram para Terra, executaram X atividades e, depois de outro grande período, foram embora, deixando diversos vestígios espalhados pelos 4 cantos do mundo.

Esta teoria não é aceita pela comunidade científica.

Não foi só o livro que mudou com o tempo. A minha opinião sobre o tema também. Não sei se foi uma espécie de amadurecimento do pensamento crítico e científico, só sei que mudou. Minha opinião começou a mudar à medida que minhas pesquisas aumentaram. Esse foi o mesmo caminho que segui ao deixar de vez a religião.

O que sei é que o universo é grande. O quão grande?, ninguém sabe. Mais e mais cientistas afirmam que ele está expandindo. E o conhecimento que temos sobre ele é pouco, mas já foi suficiente para descobrirmos vários planetas, planetas anões, sóis, luas, galáxias e estrelas que podem abrigar vida. Quando digo podem, é porque não temos a menor certeza de que isso é possível. Ou melhor, não temos a menor ideia do tipo de vida que ele pode abrigar. O problema é que infinitas possibilidades, geram uma série de ideias igualmente mirabolantes.

Entrei em vários grupos de debate sobre alienígenas. Do brasil e da gringa. São pessoas realmente apaixonadas pelo tema. Elas colocam lá toda a sua fé e todo o seu coração. E eu acho que é aí que mora o perigo. Porque tudo se transforma, magicamente, em alienígena e em uma série de conspirações para que pessoas normais, eu e você, não saibam do que realmente está acontecendo.

I-am-not-saying

Ao observar o tipo de coisas que as pessoas costumam debater sobre o tema, me veio a mente que o mundo em que elas vivem é muito mais interessante do que o meu.

Porque esse imaginário não inclui apenas seres de outro planeta. São fadas, sereias, dragões, duendes, demônios, praticamente todos os seres mitológicos que se pode imaginar e seres de dimensões diferentes. Até bebês humanos abortados com sérios problemas de formação, acabam se tornando híbridos alienígenas, levando descaradamente a desinformação e a ignorância adiante numa corrente que parece não ter fim, porque um grupo copia o conteúdo do outro.

De vez em quando apareciam os “escolhidos”, aqueles que não somente vêem tais criaturas, como recebem delas algum tipo de instrução, batem papo. E o interessante é que nesses grupos, não há uma pessoa que intermedeie a razão. Não pedem um porquê. Fazem perguntas relacionadas ao tema e constroem mais e mais alegorias.

Um exemplo disso foi num grupo do Facebook, do qual não lembro o nome, uma mulher disse que apanhou um voo de Fortaleza para São Paulo. Durante o voo, uma entidade da quarta dimensão (ela sabia até de qual dimensão que era) apareceu do lado de fora da janela do avião pra lhe comunicar que “Coisas iriam mudar“. Tinha uma foto do flash da câmera batendo na janela, no qual ela disse que era a criatura. As pessoas fizeram algumas perguntas, acharam o máximo, acreditaram de verdade. Enquanto eu lia as respostas, me perguntei porque ninguém questionou, em nenhum momento, nada sobre isso.

Ninguém questionou que a imagem da foto parecia o efeito lens flare, que é normal quando se tira uma foto. Ou questionou, se só ela era capaz de ver, por que a criatura não aparecera em sua frente, ou ainda dentro do avião, pelo menos. Ninguém quis saber também o que iria mudar. Se ele só falou aquilo, como deu tempo sequer pra ela pensar em tirar uma foto? Que tipo de ‘ser’ avisa que coisas vão mudar no meio de um vôo? A reação mais óbvia é a de pânico, eu acharia que a porra do avião ia cair. Mas ninguém questionou nada. Porque, para eles, aquilo é perfeitamente normal.

ancient aliens2

E é essa falta de percepção do que é real e do que é fantástico que sempre me assustou. É o tipo de coisa que acontece na religião o tempo todo.

Tipo aquela pastora que visitou o Vale dos Homossexuais mais de 15 vezes. Mulher, tu tás viciada. Que tu foi fazer no Vale dos Homossexuais 15 vezes? A pessoa que vai 15 vezes no mesmo canto, tem que curtir muito. Ou esse exemplo da mulher que ficou enterrada 7 dias, ressuscitou e tinha 2h pra falar pra família que Jesus ia voltar, quando na verdade é um ritual da Indonésia, onde, no mês de Agosto, os parentes desenterram seus falecidos, levam seus corpos para casa e restauram seus túmulos para poder colocá-los lá novamente.

LEIA O RESTO DO POST

O Demolidor da Netflix é vermelho… vermelho sangue

matt

No sábado, quando me coloquei a assistir Marvel’s Daredevil, uma parceria altamente antecipada entre a Marvel e a Netflix, eu não estava preparada para a agradável surpresa.

Eu tava esperando uma parada meio boba, tipo Arrow (que eu curto, mesmo que agora tenha sido rebaixada ao status novela) ou Flash (não me interessei, achei muito bobo) e acabei me surpreendendo com a densidade do roteiro e personagens.

Hell’s Kitchen é mais ou menos o que o nome sugere. Uma cozinha do inferno, recheada de vilões. Muitos, muitos vilões. E um filho da puta cego tentando salvar todo mundo. Limpar o bairro. Mas o problema é que o bairro é sujo desde as suas entranhas. Um seleto grupo de pessoas faz o que quer, com quem quer, e tudo isso orquestrado por um figurão que ninguém pode dizer o nome.

O grande vilão é uma espécie de Voldemort do mundo “real”. Se tu falar o nome dele, ou te matam (mas primeiro, vão matando toda a tua família de 1 por 1), ou tu mesmo se mata, morrendo de medo em antecipação pelo que ele pode (e vai!) fazer. É um dos maiores vilões do universo Marvel, o famoso Wilson Fisk, mais conhecido nos quadrinhos por O Rei do Crime.

img-1029930-demolidor

Eles não se demoram muito em flashbacks, o que é uma coisa boa, faz você compreender certos comportamentos dos personagens, sem ficar cansado com histórias das quais não precisamos saber. Pra quem gosta de escrever, como eu, isso é um aprendizado. O espectador (ou no nosso caso, o leitor), não precisa e nem quer saber de coisas que não são importantes.

Falar em importante, as cenas de ação que praticamente fazem você se sentir na luta, são ótimas. Quando parece que não tem como o Demolidor sair daquela, dessa vez ele tá fudido!, a cena toma outro rumo. Sua barriga embrulha.

O mais legal é que o Demolidor é apenas um homem. Tá, ele é um homem com um plus. Mas ainda assim, um único homem. Muito humano. Um homem que apanha e sente dor. E, olhe, ele apanha muito.

Vamos olhar para a história como escritores.

Ao conhecer Matt Murdock, já na infância, sabemos que vamos gostar dele. Sentimos uma empatia natural pela criança órfã de mãe, prestes a se tornar órfã de pai. A história segue nos padrões da Jornada do Herói, onde o herói é primeiramente apresentado em seu mundo comum. Matt e seu pai, um boxeador que não vive a melhor fase dos rings, e está envolvidos com pessoas não tão boas.

Se você não quer SPOILERS, é melhor não ler o que vem a seguir.

Então taí a receita de bolo, que se seguida de forma coerente (como foi no seriado), o resultado é incrível:

  1. Mundo Comum
    • Conhecemos Matt Murdock, um garoto bondoso que ajuda seu pai a se recuperar das lutas, o remendando o tanto quanto pode.
  2. Chamado à Aventura
    • Matt Murdocl sofre um terrível acidente que o deixa cego. Nesse momento, já criamos muita empatia pelo moleque. Ele já sofreu muito na vida, putaquepariu! Ainda vai ficar cego? Então acontece de, além de cego, torna-se órfão de pai e mãe. Não tem como não sentir pena.
  3. Recusa do Chamado
    • Durante muito tempo, Matt se recusa a aceitar que é diferente. Ele é cego, mas, de um modo diferente, consegue ver. Tem uma audição aguçada, assim como todos os outros sentidos. Certo dia, ele escuta um pai abusando de sua filha (no apartamento ao lado). Ele não consegue mais ficar parado.
  4. Encontro com o Mentor
    • Ainda criança, ele é apresentado ao que se viria a ser, mesmo que por pouco tempo, seu mentor, o Stick. Um outro cego, com incríveis habilidades e que faz parte de um clã (que não foi citado por nome, no seriado – possivelmente, a Rocha).
  5. Travessia do Primeiro Limiar
    • Matt começa a desvendar os mistérios de Hell’s Kitchen. E se aproximar do homem que controla tudo. E ele quer, PUTA MERDA como ele quer destruir esse cara!
  6. Testes, Aliados, Inimigos
    • Ele começa a perceber que sozinho, não será capaz de derrotar o Rei do Crime. Junta-se então, sem que os outros saibam da sua verdadeira identidade, com o jornalista Bem Urich, um homem decente, pronto para ajudá-lo a limpar a cidade. Também tem o encontro com outros inimigos. Os russos, Nabo e os policiais corruptos.
  7. Aproximação da Caverna Oculta
    • Matt descobre a identidade do Rei do Crime. E está prestes a escancará-la nos meios de comunicação.
  8. Provação
    • O Rei do Crime se mostra um bom Relações Públicas. Mostra seu rosto e frusta os planos de Matt. Que precisa enfrentar a fúria do ninja Nabo. Ele vence, e consegue convencer um dos policiais corruptos a testemunhar contra Wilson Fisk.
  9. Recompensa (Apanhando a Espada)
    • Todos sabem o que Wilson Fisk fez e o que ele comprou. Um por um, os inimigos vão sendo apanhados. Matt e seus aliados assistem a tudo.
  10. Caminho de Volta
    • Mas Wilson Fisk tem amigos muito poderosos, num último ato de filhadaputisse, ele arma um plano para escapar da prisão. (Monólogo mais que interessante, melhor prestar atenção nele).
  11. Ressurreição
    • Matt, então, aceita ser o Demolidor e sabe que apenas ele é capaz de parar o Rei do Crime.
  12. Retorno com o Elixir
    • Wilson Fisk é preso e a rede de crimes é, pelo menos momentaneamente, impedida de continuar as atividades (pelo menos até a próxima temporada! haha).

O pessoal do site Marvel 616 fez uma lista de 30 Easter Eggs que encontraram no seriado. E eu obviamente, RECOMENDO FORTEMENTE que vocês assistam ao seriado e curtam tanto quanto eu.